UGEIRM pede interdição do prédio da DDPA de São Leopoldo ao Ministério Público

Na quinta-feira (24), a UGEIRM protocolou uma denúncia de irregularidade no funcionamento da Delegacia de Pronto Atendimento de São Leopoldo. A denúncia levanta a situação precária do prédio onde funciona a delegacia, citando as condições sanitárias que expõe os policiais a um iminente risco de contrair doenças infecto-contagiosas, a falta de alvará sanitário e a inexistência de PPCI (Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndios).

A denúncia foi feita após uma série de vistorias realizadas pelo Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e Vigilância Sanitária, atendendo solicitação da UGEIRM. Os órgãos foram unânimes em apontar uma série de irregularidades que justificam a interdição do prédio, por total falta de condições de funcionamento e pelo riscos que representam à saúde e à integridade física dos policiais e da população que utiliza os serviços da polícia no município.

Na avaliação do sindicato, a situação exige uma imediata e eficaz ação do Ministério Público, que tem a responsabilidade de evitar que os usuários do local, população e policiais civis, contraiam alguma doença infecto-contagiosa, devido a presença de ratos e insetos, ou mesmo tenham a sua vida colocada em risco em face da possibilidade de um desabamento ou incêndio, ocasionado pela precariedade estrutural do edifício.

A UGEIRM já se posicionou, inúmeras vezes, sobre a total falta de condições de funcionamento do prédio onde está a DPPA de São Leopoldo. Inclusive, o sindicato já denunciou que essa precariedade é agravada pela presença ilegal de presos nas dependências da delegacia e no ônibus que serve de carceragem nos fundos do terreno. Essa situação já ocasionou algumas fugas de presos, sendo uma delas a do principal suspeito da morte do Inspetor Leandro Lopes, no início desse mês.

A direção da UGEIRM vai acompanhar o trâmite da denúncia encaminhada ao Ministério Público e continuar pressionando as autoridades, como a prefeitura e o Corpo de Bombeiros, para que tomem providências imediatas. Além disso, o sindicato já solicitou aos órgãos responsáveis, vistorias em outros prédios que abrigam delegacias no estado.

Deixe uma resposta