Situação dos presos em Pelotas coloca Policiais Civis em risco

Na última sexta-feira (8), a UGEIRM denunciou a situação da DPPA de Pelotas. Após a interdição do presídio regional de Pelotas, a carceragem da delegacia começou a abrigar presos em celas sem nenhuma condição de higiene e de segurança. Depois do fim de semana, a situação só piorou. Nesta terça-feira (12), cinco presos ainda permaneciam nas celas da DPPA, sendo que um deles está detido desde o dia 6.

A permanência de presos na carceragem da DPPA tem elevado o grau de stress dos plantonistas a um nível quase insuportável. Os policiais civis têm executado o trabalho de carcereiros, sendo responsáveis por distribuir a alimentação aos presos e providenciar o banho aos detidos. A insatisfação dos presos tem chegado a níveis perigosos. Os próprios agentes penitenciários, que fazem a transferência de presos, se espantam com a total falta de condições com que os policiais precisam lidar diariamente. Um comentário de um desses agentes ilustra bem a situação: “isso aqui está muito pior do que qualquer presídio do estado”. Como os presídios gaúchos estão entre os piores do país, podemos dizer que a situação da DPPA de Pelotas é insustentável.

Ônibus da Brigada Militar foi estacionado no pátio da DPPA.

Nesta terça-feira, um ônibus da Brigada Militar foi estacionado no pátio interno da DPPA. Parece que a administração da polícia civil já está tomando providências, infelizmente, não no sentido de resolver o problema, mas de tentar mais um improviso que pode se tornar permanente, como acontece em São Leopoldo. De onde, por sinal, fugiu o principal suspeito da morte do inspetor Leandro Lopes. Em todos esses anos, o comando da polícia civil não tomou nenhuma atitude concreta no sentido de resolver esse problema ou, se tomou, foi tão sutil que não foi notado. A pergunta que deve ser feita é: a quem interessa, além dos planos de reeleição do governador, esse tipo de atitude de tentar esconder, ao invés de resolver, os problemas reais que colocam a vida de policiais em risco?

A direção da UGEIRM visitará Pelotas na próxima quinta-feira (14), para conversar com os(as) Agentes e procurar soluções para essa situação. Aproveitando a visita, o sindicato também cobrará das autoridades locais atitudes para resolver o problema. É muito importante que a presença de presos nas celas da DPPA não comece a ser encarada como inevitável. A integridade física dos(as) policiais está colocada em risco e isso não pode ser aceito. O presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, afirma que “o sindicato vai cobrar do governo e das autoridades locais que sejam tomadas providências imediatas. Devemos lembrar que o principal suspeito pela morte do colega Leandro Lopes, é um fugitivo das celas de uma delegacia, que já estava a mais de uma semana detido. As consequências nefastas dessa irresponsabilidade do governo estadual vão além dos riscos aos policiais da DPPA de Pelotas. Toda a sociedade está sendo colocada em perigo”.

Deixe uma resposta