O SONHADO ESTATUTO FINALMENTE CRIOU PERNAS E ESTÁ ANDANDO

O SONHADO ESTATUTO FINALMENTE CRIOU PERNAS E ESTÁ ANDANDO

Foram dias de trabalho intenso, semanas a fio, mas a equipe do Sinclapol, através de seu departamento jurídico, tomou à frente do trabalho para dinamizar o Estatuto da Polícia Civil, que estava estagnado motivado pelos impactos financeiros implantados, alheios a vontade desse Sindicato. O 1º vicepresidente do Sinclapol, Daniel Côrtes trabalhou junto a Secretaria da Fazenda do Paraná (SEFA) no sentido de desvendar este impasse para que o nosso estatuto desencalhasse da referida Secretaria. Após esta ação, o presidente em exercício do Sinclapol, Fabio Barddal Drummond, mostrou o caos em que se encontram as unidades de delegacias do Estado do Paraná em completo abandono, incitando o governo a manifestar-se para uma conversa aberta e franca com a diretoria do Sinclapol, o qual ouviu as inúmeras mazelas por quais passam os servidores policiais civis do Estado do Paraná. Paralelamente o presidente licenciado, André Gutierrez, agiu de maneira política a fim de tentar resolver a situação apresentada. Leia mais… »

UNIÃO DE FORÇAS NA SEGURANÇA PÚBLICA

O presidente do Sinclapol, Fabio Barddal Drummond continua em Brasília participando da mobilização nacional contra a Reforma da Previdência. Barddal está empenhado em unir forças entre os operadores da segurança pública, independente do órgão a que pertencem. Confira o vídeo acima de mais um encontro de Fabio Barddal com mais um representante da segurança pública.

Deputados aprovam intervenção militar no Rio

A Câmara dos Deputados aprovou, por 340 votos a 72, o decreto legislativo que autoriza a intervenção federal na área de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. Após mais de seis horas de discussões e táticas de obstrução pelos contrários à medida, os deputados acataram o parecer da deputada Laura Carneiro (MDB-RJ) favorável à medida, anunciada por Michel Temer na última sexta-feira (16).

Nesta terça-feira (20), o Senado deve realizar, às 18h, uma sessão extraordinária destinada a votar o decreto. Caso o texto que estipula a intervenção seja aprovado pela maioria simples dos senadores presentes, o Congresso Nacional poderá publicar o decreto legislativo referendando a decisão de Temer de intervir no Rio de Janeiro. Leia mais… »

Entidades denunciam que intenção da reforma é privatizar a Previdência

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal realizou, nesta segunda-feira (19), no auditório Petrônio Portela do Senado Federal, a primeira audiência pública do ciclo de debates que tem como objetivo discutir “A Previdência que Queremos”. Participaram do encontro, no Auditório Petrônio Portela do Senado, representantes de centrais sindicais, de movimentos sociais e de entidades que integram a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social.

O encontro foi marcado por fortes críticas à reforma previdenciária e pedidos de resistência e luta por parte da população brasileira. O senador Paulo Paim (PT-RS), autor do requerimento para a realização das audiências públicas, criticou duramente a tentativa de reformar a Previdência Social. “É um desrespeito ao povo brasileiro. E eu espero que essa molecagem e a própria reforma da Previdência vá mesmo é para a lata do lixo, que é isso que ela merece”, disse. Leia mais… »

Vitória dos Trabalhadores e do Brasil!!! SUSPENSA A VOTAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Depois de sustentar o discurso de que continuaria trabalhando pela aprovação da reforma da Previdência mesmo com a intervenção no Estado do Rio de Janeiro, o governo federal anunciou oficialmente a suspensão da tramitação da proposta que muda as regras de aposentadoria e pensão no País.

O porta-voz da decisão foi o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, que admitiu haver “insegurança jurídica” sobre a possibilidade de continuar discutindo a reforma durante o período da intervenção e suspender o decreto para promulgar as alterações, como era o plano do presidente Michel Temer.

Mais tarde, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou uma agenda com até 15 projetos na área econômica que serão votados no Legislativo ainda este ano para compensar a não votação da reforma da Previdência. Leia mais… »

Presidente do Sinclapol é o protagonista contra a PEC/287

O presidente do Sinclapol, Fabio Barddal Drummond está em Brasília participando de grande mobilização e empenhado no trabalho contra a Reforma da Previdência. De acordo com Barddal, já houve uma primeira grande vitória contra a PEC/287, no dia de ontem. O objetivo maior é evitar que esta reforma seja aprovada. Os sindicalistas estão em reunião com parlamentares, destacando principalmente a bancada paranaense discutindo os efeitos da aprovação da PEC 287 à classe policial e a seus familiares. O presidente do Sinclapol lembra que os Policiais Civis exercem uma profissão de risco classificada como a segunda atividade mais estressante do planeta, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT). “Ao se aposentar, o policial continua pagando a Previdência e os impostos sem sonegação e não temos o direito ao FGTS. Saímos sem nada, além dos nossos vencimentos. Querem que o servidor público tenha uma previdência complementar, mas não permitem que ele possa ter um rendimento extra, além dos vencimentos. Querem igualar o servidor público ao regime geral, mas não dão os direitos do mesmo regime,” diz o presidente do Sinclapol.

Sinpol participa de agendas em Brasília por projetos prioritários para os Policiais Civis

O diretor Institucional e Intersindical do Sinpol RS, Sandro Quevedo, está em Brasília, participando de reuniões e mobilizações para garantir a aprovação de projetos importantes para a categoria. Na segunda-feira (19/02), Quevedo esteve presente no encontro do Conselho de Entidades da Cobrapol – Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis.

Entre as pautas da reunião estiveram os temas: auditoria contábil na Cobrapol, a Lei Orgânica dos Policiais Civis e a realização de um calendário de ações no Congresso Nacional em defesa de assuntos de interesse da classe. Participaram representações de 22 Estados.  Leia mais… »

Edital de escrivão pode sair nas próximas semanas.

É grande a expectativa pela divulgação do edital do concurso de escrivão da Polícia Civil do Paraná. O edital pode ser divulgado nas próximas semanas, segundo informação da diretoria do Sinclapol. Foram autorizadas 100 vagas imediatas, mais cadastro reserva para o cargo, no início de fevereiro de 2018. O concurso foi confirmado pelo Governador Beto Richa ao presidente do Sinclapol, Fabio Barddal Drummond. A autorização do concurso está comprovada através do protocolo nº 13.070.803-0, documento que se encontra na Casa Civil do Estado do Paraná. Leia mais… »

Sinpol está em Brasília contra PEC 287, a Reforma da Previdência

O diretor do Sinpol-RS, Sandro Quevedo, está em Brasília participando de grande mobilização contra a PEC 287, a Reforma da Previdência. A entidade participa das atividades contra a proposta do governo, que entre outros ataques, retira direitos dos profissionais da Segurança Pública. Os sindicalistas pretendem conversar com parlamentares, principalmente da bancada gaúcha, sobre os efeitos da PEC 287 à categoria policial e a seus familiares.

Os Policiais Civis exercem profissão de risco, executam a segunda atividade mais estressante do planeta, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), e não se calarão diante dessa reforma que insiste em retirar direitos consagrados, como a aposentadoria especial, por exemplo.

OIT intima Temer a rever pontos alterados com mudanças na CLT

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) recomendou que o governo federal examine a revisão de pontos da reforma trabalhista (Lei nº 13.467/2017), que tratam da prevalência do negociado sobre o legislado. A OIT questiona especificamente os artigos 611-A e 611-B da nova lei, que tratam das situações em que as Convenções e acordos têm prevalência sobre a lei e quando isso não é permitido.

A recomendação consta de relatório divulgado pelo Comitê de Peritos da OIT. O documento é uma resposta a consulta feita pelas Centrais Sindicais no ano passado, pedindo um parecer da entidade sobre a violação de convenções internacionais. Leia mais… »